Manaus:

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO AMAZONAS-Abordagens a crianças e adolescentes em situação de mendicância devem ocorrer com mais frequência, alerta Coordenadoria da Infância

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

 

 

 

Integrantes da rede de proteção voltaram a se reunir para discutir dificuldades e avanços na garantia de direitos desse público.

Representantes de órgão públicos integrantes da rede de proteção a crianças e adolescentes do Amazonas voltaram a se reunir, na sexta-feira (13), sob a direção da desembargadora Joana Meirelles, coordenadora da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça do Amazonas (Coij/TJAM). O encontro, realizado no auditório do Fórum Des.ª Euza Naice de Vasconcellos, foi para tratar dos resultados obtidos a partir dos encaminhamentos alinhados nas reuniões de janeiro e fevereiro deste ano, além de outros temas que exigem a participação de toda a sociedade, como as recomendações para uma atuação mais enérgica dos membros do Conselho Tutelar nas abordagens de crianças e adolescentes em situação de mendicância ou exploração nas ruas de Manaus.

“Nós acreditamos que só vamos ter sucesso se trabalharmos de uma maneira integrada. Essas reuniões têm a finalidade de analisar no que avançamos e no que precisamos melhorar. Os conselheiros tiveram várias orientações. Agora, estão sendo orientados de como fazer a abordagem. Por isso que eu digo que é muito importante essa nossa união para que consigamos reverter a atual situação que observamos nas ruas”, destacou a desembargadora Joana Meireles.

O trabalho dos conselheiros tutelares consiste em abordar as famílias, tomando conhecimento de cada a caso para os devidos encaminhamentos, seja de ordem de saúde, moradia ou documentação e, principalmente, orientando os imigrantes sobre a lei brasileira de proteção integral da criança e do adolescente.
Também participaram da reunião a titular do Juizado da Infância e da Juventude Cível da Comarca de Manaus, juíza Rebeca de Mendonça Lima e o juiz titular da Infância e da Juventude Infracional, Eliezer Fernandes Júnior. Pelo Ministério Público Federal (MPF), participou a procuradora federal Michèle Diz Y Gil Corbi; a promotora de justiça Nilda Silva de Souza; Thiago Garcia, consultor da resposta humanitária do Unicef; Raquel Casellato, do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e o defensor público Rafael Barbosa.

“Em 19 de fevereiro, nos reunimos para discutir que melhorias poderiam ser implementadas para trabalhar o direito dessas crianças. Nós temos visto essas crianças sendo usadas para mendicâncias e até mesmo aquelas com problemas de saúde. E não podemos compactuar com isso. Hoje, estamos avaliando o que foi solicitado de cada membro da rede de proteção, o que foi feito e de que forma ainda podemos atuar para melhorar a efetividade no trato com esse assunto”, complementou a promotora de justiça Nilda Silva de Souza.

“Todos em Manaus estão se preparando para atuar com o tema migratório, que é uma realidade nova. E nós temos observado que essa atividade tem sim se desenvolvido. Quando trabalhamos na perspectiva da abordagem humanizada e observando tudo o que o Estatuto da Criança e Adolescente preconiza, temos a certeza de que nosso trabalho está no caminho certo”, comentou o consultor da resposta humanitária do Unicef em Manaus, Thiago Garcia.

Natália Garcia

Natália Garcia

Assine a nossa newsletter

Clique no botão editar para alterar este texto.