Os “parasitas” como protagonistas

 

 

*Augusto Bernardo Cecílio

Realmente o mundo dá muitas voltas. Quem diria? Hoje, na linha de frente do enfrentamento ao coronavírus, não vemos engravatados, banqueiros, nem o pessoal do chamado mercado financeiro. Não vemos nenhum daqueles que tentaram jogar na lama a imagem daqueles que trabalham para servir ao público, aí incluído parcela da mídia e seus espaços generosos pra divulgar matérias e reportagens contra os servidores e até contra os serviços públicos.

Na linha de frente estão os servidores públicos das mais diferentes áreas, especialmente os da saúde, que arriscam as suas vidas e a dos seus familiares para salvar vidas, além dos que estão na retaguarda, trabalhando para manter a máquina pública funcionando.

Que ironia! Os que foram recentemente chamados de “parasitas” são a nossa esperança. Antes fomos acusados de tudo, éramos um peso pra sociedade, um estorvo, um grupo que trabalhava pouco, um bando de preguiçosos que ganhava muito e que consumia os recursos que deveriam ir, imagino, para o pagamento dos juros absurdos da dívida pública e para os financiadores e defensores do chamado neoliberalismo e do Estado mínimo.

Como disse Paulo Planet Buarque em artigo publicado, “De repente, não mais que de repente, todos os problemas brasileiros - seu eterno "déficit" público, a corrupção, a sonegação fiscal, a injusta distribuição de renda, a incompetência administrativa, tudo - passaram a ter no servidor público a sua causa principal, senão única”.

“Toda a mídia concentrou no serviço público a razão maior dos males nacionais, sendo as reformas administrativa e previdenciária absolutamente imperiosas: eis que, a partir da aprovação das mesmas, por fim os governos passarão a ter os recursos indispensáveis para o investimento e o desenvolvimento”.

Bem antes do episódio dos parasitas, fomos bombardeados por reformas e pela possibilidade de redução de salários, pelo possível esvaziamento dos serviços públicos, além de discursos difamatórios, que jogaram a sociedade contra nós. A mesma sociedade que hoje luta contra a falta de leitos, de respiradores, máscaras, álcool, testes rápidos e de materiais de proteção para os profissionais da saúde.

Antes mesmo das eleições presidenciais chegaram até a classificar como “jabuticabas brasileiras” o direito ao décimo terceiro salário e abono de férias. E outros insistem em defender padrões existentes em outros países, inclusive os EUA, que não oferece saúde pública à população, e onde um simples teste do coronavírus custa o equivalente a R$ 5 mil reais.

Diante das mortes e das infecções, temos mais uma certeza: a necessidade urgente de se valorizar o Sistema Único de Saúde (SUS) e os serviços públicos. Como disse Hélcio Marcelino, do SindSaúde-SP, mesmo sucateado, tendo perdido mais de R$ 20 bilhões para o pagamento de juros só no ano passado, o SUS ainda consegue oferecer tratamento para a população.

“Se não fosse o SUS e seus trabalhadores, a situação seria muito pior no Brasil. Muito pior que a da Itália e da Espanha, onde a gente vê as pessoas sendo internadas em casa, e os médicos sendo obrigados a escolher quem vai viver e quem vai morrer para colocar no respirador”.

É neste momento que a sociedade verá a importância dos servidores, verdadeiros protagonistas nessa luta, heróis anônimos que se arriscam, enquanto os nossos algozes estão refugiados nas suas mansões, acovardados, e talvez arrependidos.

*Auditor fiscal e professor.

Você pode

Parintins terá toque de recolher, após primeira morte por covid-19

Parintins terá toque de recolher, após primeira morte por covid-19

Após 12 anos, hospital passará por uma grande intervenção, com investimentos de R$ 15,4 milhões

Após 12 anos, hospital passará por uma grande intervenção, com investimentos de R$ 15,4 milhões

Ministério da Defesa envia ao Comitê de Crise ‘Carta Aberta da Assembleia’ que reafirma pedido de intervenção federal no AM

Ministério da Defesa envia ao Comitê de Crise ‘Carta Aberta da Assembleia’ que reafirma pedido de intervenção federal no AM

Prefeitura recebe doação de motocicletas da Moto Honda da Amazônia para serem usadas no Hospital de Campanha

Prefeitura recebe doação de motocicletas da Moto Honda da Amazônia para serem usadas no Hospital de Campanha

Com pés e mãos amarrados  corpo de homem é encontrado  em invasão de Manaus

Com pés e mãos amarrados corpo de homem é encontrado em invasão de Manaus

PP se une ao PRB e confirma Tonico Queiroz e Zilmar Alves na luta pela Prefeitura de Caapiranga

PP se une ao PRB e confirma Tonico Queiroz e Zilmar Alves na luta pela Prefeitura de Caapiranga