Manaus:

Guedes mede os servidores com a sua régua

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

 

Nem mesmo uma grave pandemia, que já matou milhares de pessoas no Brasil, torna um pouco mais humano o ministro da Economia de Bolsonaro.

Guedes sente desprezo por quem trabalha e empatia profunda pelos parasitas do mercado financeiro, com os quais bebe, almoça e janta, em tempos normais; e conversa em webinars, em tempos de pandemia.

Ao invés de adotar e acelerar medidas para proteger e apoiar os milhões que estão perdendo o emprego com a crise, Guedes prefere descarregar a sua desumanidade contra os servidores, seus alvos preferenciais.

Guedes, aliás, é o grande responsável (ou irresponsável) pelas políticas econômicas anteriores que potencializaram os efeitos da pandemia, uma vez que a Covid-19 emergiu num momento em que a economia brasileira estava paralisada e o dólar já se achava em disparada.

Todos os principais países do mundo estão aumentando o gasto social e fortalecendo o Estado para proteger vidas, manter empregos e sair da pandemia com capacidade para retomar o crescimento econômico.

Todos os principais economistas – à direita, ao centro e à esquerda – defendem que as geladeiras dos mais vulneráveis sejam abastecidas. Guedes, ao contrário, faz pouco caso do desemprego e das geladeiras vazias, e opera dia e noite para garantir o rega-bofe dos endinheirados.

Guedes detesta a ideia de público. Agarrou-se no ministério da Economia qual um parasita que vê o Estado como um mero hospedeiro de onde extrai os ganhos seus e de sua turma.

O ministro tem uma imagem dos servidores públicos que nada diz sobre estes, mas diz tudo sobre si próprio, que fez fortuna sem produzir um prego, sem atender a uma pessoa na fila de um posto de saúde ou sem lavrar um auto de infração contra um fora-da-lei.

É, a bem da verdade, a turma das lives de Guedes que fica trancada em casa com a geladeira cheia assistindo à crise, enquanto milhões de brasileiros perdem o emprego, sob o olhar obsequioso de um ministro insensível e omisso.

Charles Alcantara
presidente da Fenafisco

Natália Garcia

Natália Garcia

Assine a nossa newsletter

Clique no botão editar para alterar este texto.