E DAÍ?

Relata a Wikipédia que, lá pelo fim do primeiro milênio, o imperador chinês Hui de Jin foi informado de que seus súditos não tinham arroz para comer. Sua Majestade, enfatuado e poderoso, indagou: “Por que não comem carne?” Mais de setecentos anos depois, em França, a rainha Maria Antonieta tomou conhecimento da grande carência de pão, que era o alimento básico de camponeses e operários. A soberana, com a mesma fatuidade de seu similar oriental, teria perguntado: “Por que não comem brioches?”

Os historiadores não acreditam que seja verdadeiro o episódio relativo à mulher de Luís XVI, atribuindo-o mais à xenofobia e ao chauvinismo que “começavam a ter preponderância na política nacional” francesa, sabido que a nacionalidade da “austríaca” foi um dos fatores preponderantes para sua impopularidade. De qualquer sorte, tudo desaguou na revolução e as cabeças reais acabaram decepadas.

Jair Bolsonaro, por certo, nunca ouviu falar dessas histórias. Acontece que a boçalidade é intuitiva, além de ser apátrida e atemporal, de tal sorte que o nosso imperador resolveu inscrever definitivamente seu nome no rol dos que desprezam a vida humana. Foi assim que, informado por uma jornalista de que no Brasil o número de mortos pela pandemia havia superado o da China, proclamou: “E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Sou Messias, mas não faço milagre. É a vida. Amanhã vou eu”.

Que estúpido! Que grosseirão de galochas! E daí, presidente, que milhões de seus compatriotas chegaram a acreditar que o senhor fosse gente como eles. Gente que sabe da inevitabilidade da morte, mas que também sabe ser crime incentivar a sua ocorrência. Essa mesma gente que não está podendo nem ao menos velar seus mortos, depositados em valas comuns, enquanto o senhor se preocupa em proteger interesses escusos seus e dos príncipes, seus filhos.

“Lamento”. Quanta hipocrisia! Se lamentasse mesmo não teria sido o primeiro a incentivar o aberto desrespeito aos ensinamentos científicos. Não teria ido para as ruas apregoar que a gripezinha não poderia afetar o seu corpo atlético, enquanto as massas, enlevadas pelo exemplo de cima, se expõem ao contágio do vírus mortal.

“Quer que eu faça o quê?” Ora, o quê! Primeiro, seria de bom alvitre que o senhor aprendesse a desempenhar a função para a qual foi eleito e que tem desempenhado de maneira mesquinha e truculenta. Mas isso talvez fosse, de fato, um milagre, e este, o senhor, mesmo sendo Messias, reconhece que não sabe fazer. É bem certo que isso me parece uma inusitada modéstia de sua parte, pois outra coisa não pode ser, além de milagre, o fato de o senhor conseguir impunemente pregar uma política de desgaste das instituições democráticas e ainda encontrar quem o ouça e aplauda. Se não é milagre, é bruxaria, mas deixo essa discussão mística para as reuniões do seu “gabinete do ódio”, onde se estão urdindo todas as mesquinharias que se espalham pelo país.

“É a vida. Amanhã vou eu”. Não seja patético, presidente. Se vida e morte são contrários que coexistem, nem por isso deixa de ser igualmente dialético pretender sempre que a primeira se sobreponha à segunda. Daí porque nem mesmo o senhor pode querer aparentar esse desprezo pela sua própria partida. Aliás, devo lhe confessar que, por incrível que pareça, não gostaria de ver logo esse momento em que o senhor se vá. Não seria justo. É necessário que o senhor fique por aqui mais tempo e tenha a oportunidade de contemplar o estrago que o senhor provocou no seu país.

Não sei se os atletas estão infensos também ao remorso. Se não estiverem, é possível que, com toda a sua macheza e atletismo, o senhor, em observando o resultado de sua obra nefasta, possa derramar uma lágrima de remorso em memória daqueles a quem o senhor traiu de maneira vil e vergonhosa, fazendo-os acreditar na ilusão da gripezinha e encaminhando-os, sem escalas, para ocupar a mão de obra dos coveiros. Coveiros que, por sinal, ficaram felizes da vida quando o senhor reconheceu não ser um deles. A profissão ainda mantém a dignidade.

É uma pena que nos dias atuais não se ouça falar de outra que não sejam pandemia e Bolsonaro. São farinha do mesmo saco: brutais, estúpidas e desnecessárias. Que passem logo.

 

E DAÍ? – Felix Valois

Você pode

Wilson Lima entrega equipamentos e insumos ao Hospital Regional de Tefé

Wilson Lima entrega equipamentos e insumos ao Hospital Regional de Tefé

Fapeam alinha estratégias para nova edição do Programa Ciência na Escola

Fapeam alinha estratégias para nova edição do Programa Ciência na Escola

Pedido de intervenção na saúde do AM será encaminhado ao presidente da República

Pedido de intervenção na saúde do AM será encaminhado ao presidente da República

Amazonas tem três casos confirmados do novo coronavírus

Amazonas tem três casos confirmados do novo coronavírus

Famílias de Novo Airão recebem 4,5 toneladas de alimentos por meio do PAA

Famílias de Novo Airão recebem 4,5 toneladas de alimentos por meio do PAA

Prefeitura seleciona candidatos para 14 vagas de emprego nesta última sexta-feira do ano

Prefeitura seleciona candidatos para 14 vagas de emprego nesta última sexta-feira do ano