Ministro da Educação associa homossexualidade a “famílias desajustadas”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse que não “concorda” com o “homossexualismo” e que o adolescente que “opta por andar no caminho do homossexualismo” vive em “famílias desajustadas”. As declarações foram feitas em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, publicada nesta 5ª feira (24.set.2020).

“A biologia diz que não é normal a questão de gênero. A opção que você tem como adulto de ser um homossexual, eu respeito, não concordo (…)”, disse.

O ministro usou o termo “homossexualismo” ao tratar sobre a homossexualidade.

“Acho que o adolescente que muitas vezes opta por andar no caminho do homossexualismo tem um contexto familiar muito próximo, basta fazer uma pesquisa. São famílias desajustadas, algumas. Falta atenção do pai, falta atenção da mãe. Vejo menino de 12, 13 anos optando por ser gay, nunca esteve com uma mulher de fato, com um homem de fato e caminhar por aí. São questões de valores e princípios”, disse.

Na mesma entrevista, Milton Ribeiro afirmou que a volta às aulas não é 1 tema a ser decidido por ele, mas por Estados e municípios.

“Não temos o poder de determinar [a volta às aulas]. Por mim, voltava na semana passada, uma vez que já superamos alguns itens, saímos da crista da onda e temos de voltar. Mas essa volta deverá ser de acordo com os critérios de biossegurança”, disse.

“A lei é clara. Quem tem jurisdição sobre escolas é Estado e município. Não temos esse tipo de interferência. Se eu começo a falar demais, dizem que estou querendo interferir; se eu fico calado, dizem que se sentem abandonados”, afirmou.

Sobre a dificuldade de alunos brasileiros em ter acesso a internet, problema evidenciado pela pandemia de covid-19, o ministro disse que essa é uma questão que também é de responsabilidade dos Estados e municípios.

“Esse problema só foi evidenciado pela pandemia, não foi causado pela pandemia. Mas hoje, se você entrar numa escola, mesmo na pública, é um número muito pequeno que não tem o seu celular. É o Estado e o município que têm de cuidar disso aí. Nós não temos recurso para atender. Esse não é um problema do MEC, é um problema do Brasil. Não tem como, vai fazer o quê? É a iniciativa de cada 1, de cada escola. Não foi 1 problema criado por nós. A sociedade brasileira é desigual e não é agora que a gente, por meio do MEC, vai conseguir deixar todos iguais”, afirmou.

Indagado sobre o Ministério da Educação trabalhada para reduzir desigualdades, Ribeiro afirmou que “em termos” sim. “O MEC, em termos, né? Essa é uma responsabilidade de Estados e municípios, que poderiam verificar e ter as iniciativas para tentar minimizar esse tipo de problema. Alguns já fizeram. Algumas universidades federais deram até tablet”, disse.

Milton Ribeiro também admitiu que foi cobrado pelo presidente Jair Bolsonaro por ter recebido a deputada Tabata Amaral (PDT-SP) em seu gabinete. Após o encontro, a congressista postou uma foto ao lado do ministro nas redes sociais. Ele disse que não recebeu a deputada individualmente.

“Não [recebi]. Eu recebi a Comissão Externa da Câmara, que os 2 [além de Tabata, o ministro se referiu ao deputado Felipe Rigoni (PSB-ES)] integram e acompanham o trabalho do MEC”, declarou.

“Ele [Bolsonaro] queria entender porque a Tabata publicou uma foto. Eu falei ao presidente que recebi a comissão. É diferente isso. A mídia conservadora estranhou o fato de tê-los recebido, mas eu não vou mudar”, disse.

O ministro também falou sobre seu posicionamento em relação ao educador Paulo Freire.

“Tive a pachorra de ler o texto mais famoso dele, que é a “Pedagogia do Oprimido”. Eu desafio um professor e um acadêmico que venha me explicar onde ele quer chegar com as metáforas, com os valores. Ele transplanta valores do marxismo e tenta incluir dentro do ensino e da pedagogia”, afirmou.

  • Por: Poder 360
Luciana

Luciana

Assine a nossa newsletter

Clique no botão editar para alterar este texto.