Conecte-se Conosco

Olá, o que procuras?

Mundo

Reino Unido, África e Brasil: novas cepas têm semelhanças nas mutações

Além da variante do novo coronavírus identificada no Reino Unido, duas outras cepas foram encontradas em outros países: uma na África do Sul e outra no Brasil. “As três variações, embora diferentes, possuem semelhanças em suas mutações”, diz o imunologista e professor universitário Eduardo Nolasco
“Essa linhagem brasileira chamada de P1 tem três mutações idênticas à da variante da África do Sul e uma dessas mutações está presente também na cepa inglesa”, explica.

As linhagens também têm características específicas que aumentam a transmissibilidade do vírus.

“A mutação N501Y, que está na linhagem inglesa, na brasileira e na africana confere um maior poder de transmissão do vírus porque facilita sua chegada às células pulmonares. Já a mutação E484 – presente na linhagem africana e brasileira – parece favorecer que o vírus escape dos anticorpos”, contextualiza o imunologista.

Reinfecção

A variante brasileira da Covid-19 encontrada em Manaus também trouxe um alerta: a possibilidade dessa cepa acelerar as reinfecções pelo vírus.
“Isso porque a mutação N501Y presente nas três cepas pode também ter maior resistência aos anticorpos neutralizantes. O que pode favorecer a reinfecção. Já temos um caso registrado de uma paciente em Manaus com essa linhagem”, diz Nolasco.

O caso citado pelo imunologista é de uma mulher que contraiu o vírus em março de 2020 com o quadro moderado. Em dezembro do mesmo ano, ela apresentou os mesmos sintomas, dias após ter ido a uma festa. Os exames então confirmaram positivo para a Covid-19;

Velocidade de transformação

Embora seja transmitido de forma muito rápida, o novo coronavírus “muda de forma mais lenta”, de acordo com Nolasco.

“O Sars-Cov2 é um vírus que não tem uma taxa de mutação muito rápida. Ele consegue acumular entre uma ou duas mutações por mês. O vírus Influenza, da gripe, muda a cada 15 dias. O HIV tem uma mutação a cada 24h. Quando comparado aos demais, o novo coronavírus é mais lento que os outros vírus”, comenta.

Vacinação

Na corrida contra o tempo para combater o novo coronavírus, o Reino Unido e o Brasil já começaram o processo de imunização.

Os britânicos foram os primeiros do mundo a começar a vacinação. Em dezembro de 2020, Margaret Keenan, uma britânica de 90 anos, tornou-se a primeira pessoa vacinada contra a Covid-19 fora de um ensaio clínico.
No Brasil, após a aprovação do uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, foi a primeira pessoa a ser vacinada contra a Covid-19 no Brasil.

Ela recebeu o imunizante Coronavac, no Hospital das Clínicas de São Paulo, no domingo (17).

Para Nolasco, a vacinação pode combater também as novas variantes.
“Sim. Os anticorpos induzidos pela vacina atuam bloqueando [no novo coronavírus] a proteína que ele usa para entrar na célula [a proteína S]. E estimula também a produção de células T, que atacam as nossas células que já foram infectadas. Com base nisso, a vacinação também é um mecanismo eficiente contra esta nova cepa”, enfatiza.

POR REUTERS

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Manaus:

Facebook

criação de sites JOta Conecta

Você pode gostar!

Notícias

MANAUS – O corpo de Bombeiros atende nesse momento uma ocorrência de uma explosão ocorrida agora pouco que demoliu parte de um apartamento no...

Notícias

Manaus (AM) – O Instituto Médico Legal (IML) removeu na manhã desta quarta-feira (24) o corpo de um homem não identificado que morreu quando...

Notícias

Um dos momentos mais emocionantes da fase atual da pandemia em Parintins envolve uma história de amor de muitas décadas. Seu Francisco das Chagas,...

Notícias

O governador Wilson Lima, pretende anunciar a manutenção das medidas do último decreto e autorizando o funcionamento das academias, mas tendo os cuidados necessários...