Conecte-se Conosco

Olá, o que procuras?

Notícias

HISTÓRIA DE PESCADOR? l Maior pirarucu do mundo está no Lago Paranoá no DF, afirmam pescadores

Ele é o maior peixe de água doce do mundo. Pode chegar a três metros de comprimento, pesar entre 100 e 200 quilos, e é nativo da Amazônia. No entanto, desde 2015, há relatos de pescadores que afirmam terem visto peixes da espécie pirarucu no Lago Paranoá, em Brasília.
Na última terça-feira (6), imagens de um possível exemplar, com mais de 1 metro de comprimento, circularam na internet. O peixe aparece próximo à superfície, na margem do Deck Norte.

O vídeo circulou entre pescadores, que sustentam que esses peixes estão no Lago Paranoá há algum tempo. O Instituto Brasília Ambiental (Ibram) informou que vai averiguar se houve introdução clandestina da espécie na região.
Relatos
O nome Pirarucu vem de dois termos indígenas: pira, que significa peixe; e urucum, ou seja, vermelho, por conta da cor da cauda do animal.

“Não sei a origem, não sei como foi solto. Em alguns locais, o pessoal compra os filhotes e solta. Acho que não foram soltos desse tamanho. Às vezes, pode ter gente criando em aquário, aí o peixe cresce e não cabe mais e acabam soltando no lago mesmo”, suspeita Wellington Ferreira, conhecido como “Aranha”.

Ele pratica pesca esportiva há sete anos e afirma já ter visto dois pirarucus: um em setembro, e outro em novembro do ano passado. “Existem alguns exemplares no Lago Paranoá. Os dois que eu vi são adultos, de 1,6 metro para cima. São bem grandes mesmo. Quem é pescador ouve muita lenda, mas quando vi, fiquei surpreso”, diz Wellington.

O pescador fez um vídeo em setembro de 2020, do que afirma ser um pirarucu.”Fui atender o celular de um amigo e quando olhei embaixo do meu caiaque, o pirarucu estava parado no fundo. Fui tentar filmar e, nessa de fazer o movimento, acho que pela vibração da água, ele sentiu minha presença e saiu tranquilamente”, lembra.

Ainda assim, o pescador conseguiu captar imagens com uma câmera. “Consegui fazer alguns registros dele e pensei em fazer um vídeo sobre isso. Só que não coloquei esse vídeo no ar, justamente porque quando eu filmava o local, meu medo era de outros pescadores, que não tem o mesmo propósito da pesca, irem lá e pegar o peixe”, explica.

Outras filmagens foram feitas em novembro de 2020, e em setembro e julho de 2019, e postadas na internet. Em todas elas, pescadores afirmam ter visto pirarucus pelo Lago Paranoá.

Em 2015, o pastor evangélico Claudinei Benedicto filmou um peixe perto de pessoas praticando stand-up paddle no Lago Paranoá. Para Claudinei, era um pirarucu. Na época, autoridades não descartaram essa possibilidade.

“Parece um pirarucu pelo tamanho e avermelhado dorsal. Ele também nada na superfície para poder respirar. Não é nativo daqui, mas não é impossível ele ter se adaptado bem no lago”, disse o então biólogo da Caesb Fernando Starling, ao G1. O especialista também mencionou a possibilidade de o animal ser uma “carpa prateada”.

Danos ambientais

A Superintendência de Auditoria e Fiscalização do Ibram informou que “não há registro de nenhuma denúncia, queixa ou informação sobre a existência de peixes pirarucus no Lago Paranoá. Tampouco foi realizada a solicitação de alguma autorização ou licença para a colocação dessa espécie no Lago”.
O órgão alerta que o pirarucu é uma espécie exótica originária da Amazônia e que, no Lago Paranoá, poderia se comportar como um predador, e causar grandes danos ambientais.

“Gera um grande problema toda vez que alguém introduz espécie exótica em um ambiente. É uma ameaça à diversidade biológica porque não tem um predador natural e não tem quem faça o equilíbrio ecológico. As espécies locais ficam ameaçadas de extinção”, destaca Victor Assis Carvalho Santos, diretor de fiscalização da fauna, do Ibram.

Infração

A introdução de espécies exóticas no Lago Paranoá sem a autorização do órgão é infração ambiental. A multa é de R$ 2 mil, acrescida de R$ 200 por cada peixe introduzido. “Se alguém tiver introduzido o peixe de maneira clandestina no lago, isso configura crime ambiental”, alerta Victor Assis.

Ele afirma que o Lago Paranoá é sempre monitorado, mas que analistas ambientais irão a campo tentar localizar o peixe, para constatar se há outros pirarucus na região.

“É de interesse do órgão ambiental constatar se existem pirarucus no Lago [Paranoá] ou não, se é um fato isolado ou se está em nível de reprodução. Se sim, passa a ser preocupante”, diz Victor.

Fonte : G1

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook

Advertisement

Você pode gostar!

Manacapuru

O corpo de uma mulher que não teve a identidade revelada, foi encontrado com marcas de tortura na tarde deste domingo (17), no bairro...

Polícia

Uma mulher suspeita de cometer assaltos na cidade de Manaus, foi pega pela população na zona Sul da cidade, quando se tentava praticar mais...

Notícias

Manaus/AM- Brena Rayssa Pinheiro de Macedo, 28, foi vítima de um homem que ainda não foi identificado, na noite deste domingo (17), no bairro...

ESPECIAL PUBLICITÁRIO

Por: Secretaria Municipal de Comunicação conteúdo de responsabilidade do anunciante Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que em todo o...