Conecte-se Conosco

Olá, o que procuras?

Notícias

DESABAFO DE DANIELA ASSAYAG: ‘Não fui indiciada ou denunciada porque nada fiz. Este é o fato’

A jornalista Daniela Assayag, ex-secretária de Comunicação do Estado, publicou há pouco um desabafo em seus perfis nas redes sociais, depois de ser inocentada das acusações a ela imputadas na época da Operação Sangria, da Polícia Federal, que apurou o rumoroso caso dos respiradores. Ela estava recolhida há dez meses, desde o ocorrido. E se disse aliviada com o desfecho.
Citando frase do grego Sêneca – “As grandes injustiças só podem ser combatidas com três coisas: silêncio, paciência e tempo” -, Assayag postou o seguinte:

”Silêncio. Paciência. Tempo.
Logo eu, aquela que sempre falava tanto e não conseguia esperar por nada? Impossível!

Mas, incrivelmente, nos últimos dez meses foram essas palavras de Sêneca que me sustentaram diante das ilaçõese do escárnio. As vezes a vontade era gritar, mas ao contrário, preferi o silêncio. Queria sair correndo, desaparecer, mas tive paciência. E o tempo? Esse que sempre passou tão rápido, dessa vez se arrastava.

Mas a hora chegou. As lágrimas secaram. E eu estou aqui.

A indignação da inocente diante da calúnia proferida, deu lugar a calmaria de quem enfrenta os maiores desafios com a arma da verdade. O relatório da Polícia Federal foi divulgado na semana passada: não há referência a mim.
Eu que já estive nas manchetes dos noticiários fui resumida a uma nota de rodapé dizendo que “não há elementos suficientes para que se impute a participação efetiva no delito ora descrito”. Quem entende de redação jurídica sabe que “suficiente” e “efetivo” são adjetivos normalmente usados pelos operadores do Direito.

Não fui indiciada ou denunciada porque nada fiz. Este é o fato. E sigo convicta que as verdades que ainda não foram totalmente esclarecidas serão no momento certo porque eu acredito na justiça.

Para quem gosta de mim de forma anônima, para àqueles que me deram pelo menos o benefício da dúvida e, principalmente, àquelas pessoas que nunca soltaram minha mão, o meu mais sincero obrigada.

As mensagens que recebi, via os mais diversos meios, me ajudaram muito a não esmorecer e seguir em frente: li como nunca, fiz todos os cursos online possíveis, comecei uma nova faculdade. Quem sabe tantos pensamentos anotados não virem livro, né? Quem sabe…

Para quem mentiu ou mandou mensagens de ódio, quero dizer que está tudo bem. Nas minhas inúmeras leituras sobre comportamento humano entendi que esse tipo de atitude tem razões ancestrais (desde quando vivíamos em bandos, nas árvores), ou seja, está em nós, seres humanos,desde que o mundo existe.

E hoje, com as redes digitais a exposição é mais cruel. Esse é o mundo que temos para viver, não há como fugir dele. Fui julgada, condenada e executada em praça pública. Depois inocentada, mas agora reservadamente, em um documento oficial, sem alardes e nem manchetes.

Minha última postagem por aqui foi há 10 meses, quando anunciei que deixava o cargo de secretária de comunicação do Estado. Desde então me recolhi.
Volto, agora, a esta “convivência digital” para seguir minha vida. Renovada. Leve.”

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Manaus:

Facebook

Você pode gostar!

Trânsito

No Dia das Mães comemorado neste domingo (09), Raissa Souza Vinhote, de 19 anos, e Christian Harley Brito de Oliveira, 20 anos perderam suas...

Polícia

‘ Um homem apenas identificado como ‘Japa’, foi morto com 5 tiros na noite desta quarta-feira (05), no bairro São José, zona Leste de...

Polícia

MANAUS – Policiais foram presos na “Operação Arrocho” deflagrada pelo Ministério Público do Estado do Amazonas, pelo Grupo de Atuação Especial e Combate ao...

Destaque

O vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida Filho (sem partido), após romper com o Governador do Amazonas deu uma entrevista para à Folha no qual disse que...