Conecte-se Conosco

Olá, o que procuras?

Tabatinga

Em Tabatinga, Wilson Lima distribui cartões do Auxílio Enchente para população afetada pela cheia

Em visita ao município nesta sexta-feira (09/07), o governador do Amazonas também liberou financiamentos do Crédito Emergencial.

Nesta sexta-feira (09/07), o governador do Amazonas, Wilson Lima, esteve no município de Tabatinga (distante 1.108 quilômetros de Manaus), onde entregou 1,3 mil cartões do Auxílio Enchente para moradores que tiveram suas casas afetadas pela cheia histórica dos rios. Além do recurso, Wilson Lima também liberou mais de R$ 47 mil em Crédito Emergencial e realizou a doação de pescado para famílias em situação de vulnerabilidade social.

O auxílio consiste num crédito de R$ 300 para cada família beneficiada. O valor é disponibilizado em parcela única, que pode ser usado na compra de itens da cesta básica, material de higiene e limpeza, e até materiais de construção.

“É um valor em que as famílias têm a oportunidade de ir ao comércio e comprar aquilo que elas estão mais precisando, às vezes é alimento, às vezes é vestuário, remédio, e elas tem a liberdade para fazer isso. Um outro detalhe importante é que esse cartão chega exatamente no momento em que essas famílias necessitam”, disse o governador.

Com apoio de servidores da Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas) e da Defesa Civil do Amazonas, os cartões foram entregues diretamente na residência das famílias beneficiadas.

No beco Guadalupe, moradores receberam o governador para receber os cartões. “Obrigada a vocês, eu tenho muito a agradecer, foi a primeira vez que veio um governador governar nosso povo aqui”, disse entusiasmada a moradora Nete João de Deus.

Crédito – Ainda em Tabatinga, Wilson Lima liberou, por meio do Crédito Emergencial, mais de R$ 47 mil para seis empreendedores de serviço de manutenção, comércio varejista, atividade de informática e restaurante. Também liberou mais de R$ 199 mil em Crédito Rural para 15 produtores rurais, fortalecendo os plantios de mandioca, horticultura (couve e alface) e fruticultura nas comunidades Umariaçu, Praia de Fátima, Novo Horizonte, Bom Jesus e Novo Progresso.

As operações do Crédito Emergencial são efetuadas por meio da Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam). Já o Crédito Rural é disponibilizado por meio de uma parceria entre a Afeam e o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam).

Pescado – O governador do Amazonas realizou, por meio da Agência de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (ADS), a aquisição e doação de mais de meia tonelada de pescado para famílias em situação de vulnerabilidade social. Por meio da agência, feirantes também foram cadastrados para ter acesso às ações do Governo do Amazonas.

Investimentos – De janeiro a junho deste ano, o Governo do Estado já investiu mais de R$ 9,2 milhões em financiamentos para o setor primário. Desse total, R$ 6,9 milhões foram financiados por meio da linha de Crédito Emergencial, criada para apoiar famílias rurais afetadas pela cheia dos rios e para diminuir os impactos causados pela pandemia de Covid-19.

Por meio da Afeam, desde o início deste ano, o Governo do Amazonas investiu mais de R$ 334 mil em 34 operações de crédito e foram realizadas seis renegociações de débitos, resultando em mais de R$ 25 mil em Tabatinga.

FOTOS: Arthur Castro/Secom

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook

Advertisement

Você pode gostar!

ESPECIAL PUBLICITÁRIO

Por: Secretaria Municipal de Comunicação conteúdo de responsabilidade do anunciante Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que em todo o...

Polícia

Manaus/AM – A Polícia Federal deflagra na manhã desta quarta-feira (20), a Operação Vikare, que tem como alvo uma organização criminosa ligada ao tráfico...

Polícia

Equipe policial foi acionada por populares sobre suspeitos tentando assaltar um estabelecimento comercial.

Economia

Ministro da Economia afirma que falta da reforma do Imposto de Renda impede benefício permanente e que fonte de financiamento ainda não está definida.