Conecte-se Conosco

Olá, o que procuras?

Lúcio Carril

A CHUVA E A CIDADE

Em 1987, quando conheci a mãe da minha filha Amanda, percebi uma certa tristeza nela quando começava a chover.

Nessa época, a Rosalva Teixeira militava no Movimento Meninos e Meninas de Rua e trabalhava com os pequenos canoeiros da orla do Mercado Adolfo Lisboa. Ela me explicou que a tristeza era porque quando chovia os garotos não ganhavam nada, pois não aparecia passageiro.

Estamos iniciando o período chuvoso, o inverno amazônico.
Adoro a chuva, mas não deixo de lado minha angústia com a situação das famílias que moram em áreas de risco e alagadiças.

A nossa cidade é mais uma das tantas que não têm infraestrutura para suportar dez minutos de chuva forte. O aconchego da chuva traz para muitos o desassossego.

Minha solidariedade ao povo de Manaus que padece com a falta de uma política urbana que garanta bem-estar e cidadania.

O pior de tudo é que entra prefeito sai prefeito e não se faz um planejamento para ampliar o saneamento de Manaus, que atende apenas 12,43 da população com coleta de esgoto, ficando em sexto lugar entre as dez piores em saneamento básico no país.

E quando se gasta pouco em saneamento, o gasto com saúde aumenta.

Lúcio Carril
Sociólogo

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook

Advertisement

Você pode gostar!

Autazes

Após a chegada de inúmeras dragas de garimpeiros no Rio Madeira, próximo a Comunidade Rosarinho, entre os municípios de Autazes e Nova Olinda do...

Brasil

A polícia informou ainda que oito armas pertencentes aos oito agentes envolvidos no caso foram enviadas à Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo...

Educação

Atividade acontece durante toda a semana e debate pautas ligadas à educação indígena.

Educação

Mais de 27 mil bolsas, para sete idiomas diferentes, são oferecidas nesta edição do programa. As inscrições para o programa Bolsa Idiomas, em Manaus,...