Conecte-se Conosco

Olá, o que procuras?

Mundo

Equador busca identificar restos mortais de 116 presidiários mortos em distúrbios na prisão

O Equador procurou na quinta-feira identificar os restos mortais de 116 presos mortos durante um motim em uma de suas maiores prisões no início desta semana, o último surto de violência que as autoridades vincularam a gangues que disputam o controle de rotas de tráfico de drogas.

Dezenas de parentes de presidiários da Penitenciaria del Litoral, na maior cidade do país, Guayaquil, se reuniram em frente a um necrotério em busca de informações sobre seus entes queridos, após o surto de violência prisional mais mortal da história do Equador na terça-feira, no qual 80 pessoas também ficaram feridas.

Os investigadores da polícia pediram aos familiares fotos de presidiários ou detalhes de características como cicatrizes ou tatuagens para ajudá-los a identificar os corpos.

O comandante da polícia Tannya Varela disse a repórteres que o número de vítimas pode aumentar, já que os policiais ainda estão investigando. Na manhã de quinta-feira, a polícia nacional enviou 400 policiais para retomar o controle do centro de detenção. Os soldados também entraram na prisão para manter a ordem.

“Ainda não concluímos a intervenção na penitenciária, por isso é possível que haja outros corpos lá dentro e alguns dos feridos possam morrer com os ferimentos”, disse Varela.

A violência aconteceu depois que 79 e 22 pessoas morreram em distúrbios na prisão em fevereiro e julho, respectivamente. As autoridades ligaram os confrontos anteriores a gangues locais rivais com ligações com grupos criminosos transnacionais que lutam pelo controle do comércio de drogas no Equador.

De acordo com Mario Pazmino, coronel e ex-diretor de inteligência do Exército do Equador, os confrontos aumentaram e se tornaram mais sangrentos recentemente, à medida que os cartéis de drogas mexicanos, como os cartéis de Sinaloa e Jalisco Nueva Generacion, formaram alianças com gangues locais.

Embora não seja um grande produtor de drogas, o Equador é um importante centro de trânsito de cocaína da vizinha Colômbia e Peru com destino aos Estados Unidos e Europa, grande parte dela escondida em contêineres legítimos que partem do porto de Guayaquil, de acordo com um relatório do Departamento de Estado dos EUA em março.

“Esta presença do narcotráfico se reflete em uma luta permanente por caminhos e territórios de onde saem as drogas, e é isso que se reproduz nos centros de detenção, bem como nas cidades onde acontecem acertos de contas e assassinatos”, disse Pazmino à Reuters. .

Questionado na noite de quarta-feira se o confronto desta semana estava relacionado ao tráfico de drogas, Fausto Cobo, diretor do Centro de Inteligência Estratégica do Equador, disse que a violência estava “ligada a outros problemas graves”.

“Este é um problema que vai além do sistema penal”, disse Cobo a repórteres. “É uma ameaça ao Estado equatoriano”.

Fonte: Yury Garcia e Alexandra Valencia/ Reuters

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook

Advertisement

Você pode gostar!

ESPECIAL PUBLICITÁRIO

Por: Secretaria Municipal de Comunicação conteúdo de responsabilidade do anunciante O Em todo o mundo, 79,3 milhões de pessoas foram infectadas com o HIV...

Notícias

A Polícia Civil informou nesta quarta-feira (1°) que apura uma suspeita de estupro dentro de um camarote do rodeio de Jaguariúna (SP). A vítima,...

Polícia

Neste domingo (5), um homem identificado como Gênesis Nascimento da Costa, 40 anos, foi executado a tiros em um posto de combustível localizado na...

Notícias

No domingo (5), um vídeo viralizou nas redes sociais onde duas ajudantes do papai Noel e uma outra mulher envolvem em uma briga. Mesmo...