Conecte-se Conosco

Olá, o que procuras?

Política

Serafim: projeto que altera cálculo do ICMS gera falsa redução do preço dos combustíveis

O deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) taxou como “enganação” o texto do projeto de lei aprovado pela Câmara dos Deputados na noite desta quarta-feira, 13, que altera o cálculo do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre os combustíveis com a promessa de reduzir o preço final para o consumidor.

“A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira uma proposta que tem o patrocínio do presidente da Câmara, Arthur Lira, para que o ICMS, que é um imposto estadual, seja cobrado valor fixo por litro de gasolina, diesel e etc. Hoje o ICMS é de 25% sobre o litro da gasolina. Então, se a gasolina custa R$ 6 o litro, o ICMS é R$ 1,50. Pela proposta será mais ou menos o seguinte: independentemente do preço, o ICMS será de R$ 1. Com isso, irá diminuir o custo em R$ 0,50 centavos”, disse Serafim durante discurso na sessão plenária desta quinta-feira, 14.

“O que posso dizer é que essa mexida vai alterar a arrecadação de ICMS dos estados que já atravessam dificuldades, e me refiro aos 27 estados da federação. Mas alerto que isso não vai diminuir o preço da gasolina. Vai mudar o sistema e o preço da gasolina vai continuar o mesmo, porque lamentavelmente no Brasil os preços dos combustíveis são carterizados”, avaliou o parlamentar.

Segundo o projeto, o ICMS relativo ao óleo diesel, ao etanol hidratado e à gasolina terá a um valor fixo, “que não esteja sujeito a flutuações constantes, como ocorre atualmente”. O projeto prevê que o preço do imposto será apurado a partir de valores fixos definidos na lei estadual e que, para o cálculo da cobrança do tributo, será levado em consideração o valor médio do litro nos dois anos anteriores. Ainda de acordo com a matéria, as alíquotas “serão fixadas anualmente e vigorarão por um ano a partir da data de sua publicação”.

Para Serafim, a proposta é uma cortina de fumaça para esconder o real problema do aumento no preço, a inflação externa e interna, somada ao aumento do petróleo e a desvalorização do real.

“Então, no ensejo que se anuncia essa mudança como sendo a salvação da lavoura, eu quero dizer desde logo que se a gasolina está R$ 6,50, ela deveria cair para R$ 6, mas logo vai ter um novo aumento que vai deixá-la em R$ 6,50 novamente. O problema é a política equivocada da Petrobras, é a dolarização quando o Brasil é autossuficiente em petróleo. E quero reiterar aqui que esta é uma solução que vai apenas enganar o povo, estão transferindo a culpa que é da Petrobras para os estados e vai diminuir a arrecadação para os estados. Eu imagino que a arrecadação do item combustíveis deva cair 1/3”, alertou Serafim.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook

Advertisement

Você pode gostar!

Manacapuru

O corpo de uma mulher que não teve a identidade revelada, foi encontrado com marcas de tortura na tarde deste domingo (17), no bairro...

Polícia

Uma mulher suspeita de cometer assaltos na cidade de Manaus, foi pega pela população na zona Sul da cidade, quando se tentava praticar mais...

Notícias

Manaus/AM- Brena Rayssa Pinheiro de Macedo, 28, foi vítima de um homem que ainda não foi identificado, na noite deste domingo (17), no bairro...

ESPECIAL PUBLICITÁRIO

Por: Secretaria Municipal de Comunicação conteúdo de responsabilidade do anunciante Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que em todo o...