Conecte-se Conosco

Olá, o que procuras?

Política

Dermilson Chagas afirma que servidores tiveram perda do poder de compra no governo Wilson Lima

O parlamentar revelou, com dados do IBGE, que a inflação acumulada do governo Wilson Lima, de 2019 a setembro deste ano, foi de 16,54%

O deputado Dermilson Chagas (Podemos) afirmou, na manhã desta terça-feira (26/10), na tribuna do Plenário Ruy Araujo, na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), que todas as categorias de servidores estaduais tiveram perda do poder de compra no governo Wilson Lima. Com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o parlamentar revelou que a inflação acumulada de 2019 a setembro de 2021 foi de 16,54%.

Dermilson Chagas destacou que os servidores estaduais foram os que mais sofreram com o aumento da inflação, porque, além do processo inflacionário em si, eles foram vítimas do Pacote da Maldade, causada pela falta de planejamento do Governo do Amazonas, que não soube controlar os seus gastos e que, por esta razão, teve congelar, por um período de anos, a concessão de aumento e/ou reajuste salarial para o funcionalismo público, por meio da Lei Complementar nº 198, de 15 de julho de 2019, com vigência até o final do segundo quadrimestre de 2021.

O parlamentar, que foi contra esse congelamento e que sempre defendeu o reajuste salarial para todas as categorias de servidores, bem como a aprovação dos Planos de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCRs) de várias categorias de trabalhadores do Estado, disse que esse percentual de 16,54% é o mínimo que o Governo do Amazonas tem de assegurar ao servidor antes de ser concedido aumento, para que todos os trabalhadores tenham ganho real e de fato.

“Na verdade, mesmo que o governador Wilson Lima faça a reposição da perda salarial, isso não fará a mínima diferença no salário do trabalhador estadual, porque a inflação já consumiu todo esse dinheiro. E veja bem que isso não é aumento, é apenas o percentual mínimo que ele tem de respeitar para que os nossos servidores possam recompor o seu poder de compra e ter o mínimo de dignidade. O governador precisa fazer essa reposição e, em seguida, conceder o aumento de fato aos servidores”, argumentou Dermilson Chagas. Ele ressaltou ainda que, nos 16,54%, já está sendo computada a inflação de outubro, até o dia 21, que ainda não fechou. “Portanto, esse percentual da inflação, será maior”.

O deputado também frisou que o dinheiro do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) não é salário e sim um direito assegurado ao servidor da Educação pela Constituição Federal. Dermilson Chagas também destacou que pagamento de data-base não é favor, é uma obrigação porque é assegurada por lei.

Governo ultrapassou limite prudencial

O deputado já vem, desde o início deste ano, divulgando na imprensa e discursando na tribuna da Aleam, que o governador do Estado respeite a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para não ultrapassar o limite prudencial estabelecido pela legislação e, por consequência, ficar sem poder conceder aumento salarial para os servidores públicos. Entretanto, o governador Wilson Lima não deu ouvidos ao deputado e ultrapassou o limite prudencial da folha de pagamento.

Dermilson Chagas afirmou, no último dia 6 (quarta-feira), que o Governo do Amazonas está desrespeitando a LRF, que, na prática, estabelece um conjunto de normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal, mediante ações para prevenir riscos e corrigir desvios que possam afetar o equilíbrio das contas públicas. Com a divulgação do Relatório de Gestão Fiscal do 2° Quadrimestre, uma exigência da LRF, o deputado Dermilson Chagas chamou a atenção para o excesso do limite de gastos com pessoal do governo do Estado do Amazonas. Segundo o relatório, o percentual da despesa com pessoal está em 50,06%, quando deveria estar abaixo do limite máximo de 49%.

O parlamentar disse que todas as secretarias e órgãos da Administração direta e indireta do Governo do Estado realizam contratações todos os meses, ferindo o direito de centenas de candidatos aprovados em concursos realizados pelo Governo do Amazonas na gestão passada e que ainda aguardam convocação para ocuparem seus cargos. Dermilson Chagas destacou que um dos órgãos que mais “inchou” no quantitativo de servidores comissionados foi a Casa Civil, seguido da Agência Amazonense de Desenvolvimento Econômico e Social (Aadesam), que foi o órgão que mais realizou Processos Seletivos Simplificados (PSS), com o objetivo favorecer apadrinhados.

O parlamentar tem preocupação com essa política de contratação do atual governo pela Aadesam, que através de PSS, vem terceirizando mão de obra na administração pública, deixando de fora, diversos concursados que aguardam serem chamados. Por essa razão, a folha de pagamento do Estado já superou o limite prudencial, conforme denunciou o parlamentar, que ressaltou que haverá várias consequências negativas para a população devido à falta de planejamento do Governo do Estado.

Governo terá de enxugar a folha de pagamento

Dermilson Chagas explicou que o Governo do Estado terá de reduzir as despesas, sob pena de ser proibido de conceder vantagem, aumento, reajuste ou adequação de remuneração a qualquer título, salvo os derivados de sentença judicial ou determinação legal ou contratual; criação de cargo, emprego ou função; alteração de estrutura de carreira que implique aumento de despesas, entre outras situações previstas em lei.

Por outro lado, o governo federal editou a Lei Complementar n° 173, que ajudou os governos estaduais e municipais, durante a pandemia, e que proíbe reajuste salarial até 31 de dezembro de 2021. Mas, apesar disso, o parlamentar afirma que a contratação excessiva acarretará em diversos prejuízos para a gestão e, em especial, para os servidores, pois o principal efeito negativo do descontrole nos gastos com pessoal será o impedimento da concessão de aumento salarial para os servidores estaduais, depois que a Lei Complementar 173 deixar de vigorar. E isso irá frustrar diversas categorias de trabalhadores, que estão com salários congelados há anos e sofrem os efeitos da inflação.

Governador atende solicitação de Dermilson Chagas

O deputado Dermilson Chagas lembrou que, no último dia 21 (quinta-feira), após ele dar diversas entrevistas na imprensa local pedindo que o governador do Estado concedesse aumento salarial para os servidores públicos, Wilson Lima utilizou as suas redes sociais para prometer reajuste salarial aos servidores públicos. Hoje (26/10), confirmando as solicitações feitas pelo parlamentar ao longo dos últimos meses, o governador resolveu ouvi-lo e anunciar aumento para diversas categorias.

“O governador tem por obrigação de conceder reajuste, pagar escalonamento e a data-base dos servidores, no entanto, causou-me surpresa, pois, no último relatório de Gestão Fiscal do 2º Quadrimestre de 2021, os índices com despesas com pessoal, encontra-se acima dos limites previstos na LRF, na qual, a partir do seu artigo 18, prevê que: (…) Para os efeitos desta Lei Complementar, entende-se como despesa total com pessoal: o somatório dos gastos do ente da Federação com os ativos, os inativos e os pensionistas, relativos a mandatos eletivos, cargos, funções ou empregos, civis, militares e de membros de Poder, com quaisquer espécies remuneratórias, tais como vencimentos e vantagens, fixas e variáveis, subsídios, proventos da aposentadoria, reformas e pensões, inclusive adicionais, gratificações, horas extras e vantagens pessoais de qualquer natureza, bem como encargos sociais e contribuições recolhidas pelo ente às entidades de previdência”, citou o deputado.

Dermilson Chagas frisou que, além do caput do mencionado dispositivo, o seu parágrafo 1º também inclui um gasto que está englobado como sendo despesa com pessoal, qual sejam os valores referentes a contratos terceirizados de mão de obra, substitutiva de servidores e empregados públicos.

“Como já se sabe, a LRF surgiu com o objetivo de impor limites ao endividamento e aos gastos públicos, trazendo à tona uma novidade conhecida como ‘limite prudencial’, que nada mais é do que a imposição de uma margem de segurança da qual o Estado deverá se valer para não ultrapassar os limites prudentes de gastos públicos”, argumentou o parlamentar.

Consequências negativas

De acordo com o artigo 22, são vedados ao Poder ou Órgão que houver incorrido no excesso do limite prudencial:
I – concessão de vantagem, aumento, reajuste ou adequação de remuneração a qualquer título, salvo os derivados de sentença judicial ou de determinação legal ou contratual, ressalvada a revisão prevista no inciso X do artigo 37 da Constituição; II – criação de cargo, emprego ou função III – alteração de estrutura de carreira que implique aumento de despesa; IV – provimento de cargo público, admissão ou contratação de pessoal a qualquer título, ressalvada a reposição decorrente de aposentadoria ou falecimento de servidores das áreas de educação, saúde e segurança; V – contratação de hora extra, salvo no caso do disposto no inciso II do parágrafo 6º do artigo 57 da Constituição e as situações previstas na lei de diretrizes orçamentárias (Art. 22, LRF).

Regime fiscal provisório

Dermilson Chagas explicou que, afora essas vedações, a Lei Complementar nº 173/2020 foi editada com o objetivo de instituir uma espécie de “regime fiscal provisório” para enfrentamento à pandemia do novo coronavírus, possibilitando o reequilíbrio das finanças públicas por meio, entre outras medidas, da suspensão do pagamento de dívidas contraídas pelos entes federativos em face da União, da distribuição de recursos públicos para o combate à doença e da restrição ao crescimento da despesas públicas, especialmente as relacionadas à folha de pagamento dos servidores e empregados públicos.

“Nesse ponto, a referida Lei Complementar criou uma série de restrições (artigo 8º), aplicáveis até 31 de dezembro de 2021, aos entes federativos afetados pela calamidade pública decorrente da pandemia. É o caso, por exemplo, da restrição ao aumento da remuneração dos agentes públicos, a alteração de estrutura de carreira, a admissão ou contratação de pessoal, a majoração de vantagens ou auxílios, a contagem de tempo como período aquisitivo para a concessão de adicionais por tempo de serviço e licença-prêmio, entre outros. Portanto, fica claro, que, neste ano, nenhum reajuste salarial poderá ser concedido aos servidores, infelizmente, e a culpa é da falta de planejamento dessa gestão desastrosa, que eu venho denunciando todos os dias na Assembleia e na imprensa”, desabafou o parlamentar.

FOTOS E IMAGENS: AGUILAR ABECASSIS
EDIÇÃO DE IMAGENS E ÁUDIOS: LEONARDO MANCINI
REDES SOCIAIS: MARSELLE ROSAS E KELRIANE COSTA
PESQUISA, PRODUÇÃO E TEXTOS: ANA LÍLIAM ROSOS
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL, FOTOS E DESIGN: MAYARA PESSOA
COORDENAÇÃO DA ASSESSORIA DO DEPUTADO DERMILSON CHAGAS: GUILHERME GIL E KELRIANE COSTA

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook

Advertisement

Você pode gostar!

Polícia

O cabelereiro Dayene João de Araújo Barbosa, 38 anos, foi morto a tiros na noite deste domingo (21), na Rua Santa Helena, bairro Zumbi,...

Brasil

Segundo a Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, agentes teriam depredado o local e feito pichações com referências à milícia.

Economia

As autoridades alfandegárias da China disseram nesta terça-feira (23) que aceitarão pedidos de importação de carne bovina brasileira que tenha recebido certificado sanitário antes...

Tabatinga

Ao todo, o atual Governo destinou, entre obras concluídas e em execução, R$ 36,7 milhões para infraestrutura do município.