Conecte-se Conosco

Olá, o que procuras?

Mundo

A violência na Síria está piorando, não é seguro para o retorno de refugiados, dizem investigadores da ONU

A Síria ainda não é segura para o retorno de refugiados uma década após o início do conflito, disseram investigadores de crimes de guerra da ONU na terça-feira, documentando o agravamento da violência e violações de direitos, incluindo detenção arbitrária por forças governamentais.

A Comissão de Inquérito da ONU sobre a Síria disse que a situação geral está cada vez mais sombria, observando as hostilidades em várias áreas do país fragmentado, sua economia em colapso, leitos de rios secos e aumento dos ataques de militantes do Estado Islâmico.

“Uma década depois, as partes em conflito continuam a perpetrar crimes de guerra e crimes contra a humanidade e violando os direitos humanos básicos dos sírios”, disse o Presidente da Comissão, Paulo Pinheiro, divulgando seu 24º relatório.

“A guerra contra os civis sírios continua e é difícil para eles encontrar segurança ou refúgio neste país dilacerado pela guerra.”

Os incidentes de detenção arbitrária e incomunicável pelas forças governamentais continuaram, disse o relatório.

“A Comissão continuou a documentar não apenas tortura e violência sexual na prisão, mas também mortes sob custódia e desaparecimentos forçados”, disse um comunicado à imprensa.

A guerra, que resultou de um levante contra o governo do presidente Bashar al-Assad, gerou a maior crise de refugiados do mundo. Os vizinhos da Síria acolhem 5,6 milhões de refugiados, enquanto os países europeus acolhem mais de um milhão.

Refugiados em alguns países enfrentaram pressão para voltar.

Embora Assad tenha recuperado a maior parte da Síria, áreas significativas permanecem fora de seu controle: as forças turcas estão posicionadas em grande parte do norte e noroeste – o último grande bastião dos rebeldes anti-Assad – e as forças dos EUA estão estacionadas no leste e nordeste controlado pelos curdos .

A comissária Hanny Megally disse que houve um “retorno dos cercos e táticas semelhantes” no sudoeste da Síria – uma área onde as forças governamentais apoiadas pela Rússia empreenderam uma campanha para exterminar um bolsão dos rebeldes na cidade de Deraa . consulte Mais informação

Cobrindo o ano até o final de junho, o relatório também observou o aumento das hostilidades no noroeste, dizendo que mercados, áreas residenciais e instalações médicas foram atingidas por ar e por terra, “muitas vezes indiscriminadamente, causando numerosas vítimas civis”.

Pelo menos 243 pessoas foram mortas ou mutiladas em sete ataques com carros-bomba nas cidades controladas pelos rebeldes de Afrin e Ras al-Ain ao norte de Aleppo, embora o número total de vítimas tenha sido consideravelmente mais alto, disse o relatório.

O relatório criticou o grupo islâmico que controla Idlib, Hayat Tahrir al-Sham, por impor restrições à mídia e à liberdade de expressão, dizendo que havia detido arbitrariamente ativistas da mídia e jornalistas, incluindo mulheres.

Também criticou o internamento ilegal de milhares de mulheres e crianças detidas sob suspeita de ligações com o Estado Islâmico em campos em áreas controladas pelas Forças Democráticas Sírias apoiadas pelos EUA, dizendo que não tinham recursos legais.

Eles foram “abandonados à própria sorte em condições que podem representar um tratamento cruel ou desumano”.

Fonte: Tom Perry / Reuters

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook

Advertisement

Você pode gostar!

Destaque

Uma facção criminosa que atua na cidade de Manaus, fez postagens em um app de bate papo, dizendo que já teria avisado a Romarinho...

Notícias

Durante a despedida do cantor de forró Romário Jesus de 27 anos, um amigo da vítima foi executado a tiros quando fazia uma transmissão...

Notícias

Segundo o relato do próprio Emanuel. A gente passou no eldorado na praça do caranguejo e paramos pra comprar minha água tônica, o Júnior...

Cultura

O período de inscrições para a 15ª edição segue até 15 de setembro e o regulamento está disponível no site da Fetam O Festival...