Conecte-se Conosco

Olá, o que procuras?

Mundo

“Eles gritam coisas feias”: Migrantes no norte do Chile temerosos após protestos violentos

Imigrantes venezuelanos em Iquique, no norte do Chile, foram abalados por uma série de protestos furiosos de moradores contra os acampamentos de colonos que surgiram em praças da cidade e até nas praias, um reflexo das tensões latentes sobre a migração na região .

No fim de semana, milhares de chilenos locais marcharam com slogans anti-imigração e incendiaram pertences de migrantes venezuelanos, jogando roupas e colchões em fogueiras na rua, depois que um acampamento foi limpo pela polícia na sexta-feira.

“Eles gritam conosco: ‘Volte para o seu país. O que você está fazendo aqui?’ Eles gritam com a gente um monte de coisas feias “, disse Jaqueline Rojas, uma venezuelana que mora na cidade.

“Isso nos entristece, porque a verdade é que não somos todos iguais. Tem gente que vem pra fazer mal e tem gente que vem procurar trabalho. Vou para o sul procurar trabalho, com minha filha e Meu irmão.”

Apesar das restrições à pandemia, muitos migrantes da Venezuela e de outros lugares continuam tentando chegar ao Chile, um dos países mais ricos da região, que foi abalado nos últimos anos por protestos contra a desigualdade arraigada.

A migração na América Latina ganhou destaque recentemente, depois que um grande número de migrantes haitianos, muitos dos quais viviam no Brasil e no Chile, formaram um grande acampamento improvisado na fronteira entre o México e os Estados Unidos.

Na cidade costeira de Iquique, mais de 1.400 quilômetros (870 milhas) ao norte de Santiago, centenas de migrantes se instalaram em tendas em uma praça da cidade na semana passada, enquanto decidiam seu destino final, geralmente a capital do país.

“Isso é melhor do que estar na Venezuela. Venezuela, você tem sua casa e tudo o que deseja, mas não tem como alimentar seus filhos, vesti-los ou dar-lhes uma boa educação”, Wendy González, líder de um acampamento improvisado , disse na semana passada.

Em operação na sexta-feira, a polícia local realizou despejos na praça. O governo chileno vem realizando polêmicas expulsões de imigrantes ilegais na tentativa de desestimular a chegada de novas levas de famílias.

Juana Rodriguez, uma residente chilena em Iquique, disse que muitos moradores locais ficaram irritados com os empregos e alegaram que os migrantes para o país estavam simplesmente pedindo esmolas.

As passeatas, principalmente no sábado, reuniram cerca de 5.000 chilenos com cartazes dizendo “Chega de migrantes”. Os manifestantes exigiram que as autoridades tomassem medidas para impedir a entrada de migrantes na fronteira norte do Chile.

“Com a marcha, sim, ficamos assustados, muito assustados porque não sabíamos o que poderia acontecer”, disse Nacary Mora, um migrante venezuelano.

Fonte: REUTERS

Foto: Alex Diaz / REUTERS

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook

Advertisement

Você pode gostar!

Polícia

Um vídeo que está circulando nas redes sociais neste domingo (28), mostra o momento em que policiais da Força Nacional ameaçam prender a influenciadora...

Lúcio Carril

“distúrbio mental grave em que o enfermo apresenta comportamentos antissociais e amorais sem demonstração de arrependimento ou remorso, incapacidade para amar e se relacionar...

Polícia

O corpo homem que ainda não teve a identidade revelada, foi encontrado no Ramal do Brasileiro, na tarde deste domingo (28), zona Leste de...

Flagrantes da Política

A briga começou e as negociações políticas estão acirradas entre os pretensos nomes que deverão disputar as eleições de 2022 ao governo do Amazonas....